tempo de oportunidades

tempo de oportunidades

sábado, março 28, 2020

De homem perfeito a primata e de primata à restauração.

Por Célio Barcellos

Em seu livro Sapiens, Yuval Noah Harari menciona que a “fofoca” foi o meio utilizado pelo Homo sapiens a se estabilizar em bandos, a partir da Revolução Cognitiva. Para esse renomado doutor em história pela Universidade de Oxford, além da “fofoca”, a outra arma poderosa utilizada por esse "tipo" de espécie humana foi a criação do “mito”, usada para ampliar o seu domínio. Na perspectiva evolucionista de Harari, a criação de deuses e espíritos consolidaram as tribos.
Para ele, o Homo sapiens possui a imensa capacidade de imaginação e inteligência de agregar com eficiência uma quantidade enorme de pessoas distintas que cooperem com as ideias. Ao citar a Revolução Francesa, Harari menciona que de uma hora para outra, o povo deixou de acreditar na mitologia monárquica e assumiu o mito de que o povo é soberano. Na verdade, os sapiens mudam a forma de pensar de acordo com a  necessidade e transformação.  
Apesar de muita coisa na perspectiva do professor Harari fazer sentido, a Bíblia  traça um paralelo para o homem neste mundo de contrastes, em uma perspectiva de esperança, apesar do homem ser pecaminoso. Todas as artimanhas utilizadas pelos sapiens para a sobrevivência e manutenção de poder, a Bíblia dá um nome - pecado. E não tem como não concordar na existência desse mal, uma vez que diariamente o chamado Homo sapiens, presencia os horrores dos seus mau feitos.
Para o relato da criação, ao ser expulso do Éden, o homem deixou para trás um lugar de equilíbrio e passou a andar errante na busca por sobrevivência. Largou o aconchego do paraíso, para viver em cavernas e conviver com animais ferozes. A escritora Ellen White chega a dizer que o “pecado deslustrou a imagem de Deus no homem”. Ou seja, se o relato das Escrituras fosse levado a sério, o ser humano saberia melhor a sua origem e não falaria da vida em diversas teorias. 
Enquanto Harari e tantos outros discorrem com maestria acerca da evolução, a Bíblia se encarrega em dizer que Deus criou o homem perfeito. Para o escritor e teólogo Harun Yahya, ao invés de evolução, ocorreu o processo de involução na humanidade. De fato, há muito sentido no que Yahya diz, pois apesar de uma mente criativa, o ser humano pratica brutalidades e ferocidades que fazem exigir um sério pedido de desculpas aos supostos sapiens e demais espécies. 
Mesmo discordando do pensamento evolucionista de Harari, confesso que a leitura está me agradando. Como professor, ele consegue escrever fácil uma linguagem bastante complexa. No entanto, ainda prefiro o relato da criação. É maravilhoso saber que o planejador de tudo o que vemos, foi detalhista ao criar o homem. O fez com totais habilidades e inteligência. O maior problema do ser humano no Éden, continua sendo o atual. Concorrer com quem o criou. 
Assim sendo, Quando Harari discorre acerca dos feitos dos supostos ancestrais humanos, a minha mente viaja para o primeiro casal na terra que precisou driblar as bestas feras que ele mesmo soltou da jaula. Imagine se Deus não tivesse dotado o homem com as faculdades mentais claras! Seria presa fácil. Tirando os milhões de anos propostos, não vejo dificuldades em aceitar que os sapiens sejam o próprio ser humano em sua luta por sobrevivência após o pecado. 
Portanto, ver o ser humano utilizando-se de práticas primitivas só corrobora com que a Bíblia diz: “Todos pecaram e carecem da glória de Deus”(Rm 3:23). A glória de Deus é a oportunidade do homem ser restaurado e envernizado pelo Sangue do Cordeiro. Aí sim, ele retornará para o lugar de onde nunca deveria ter saído, o Edén. Lugar indescritível em que a caminhada humana estará livre de cavernas, bestas feras e confusões que o cercam. Porém, repleto da perfeição que ele descartou pelo desejo de querer ser um deus. 

sábado, março 21, 2020

Trancafiados, porém livres

Pôr do sol em Pinheiros/ES -  Meirielly Queiroz
Por Célio Barcellos

O confinamento faz enxergar-nos diferente.
A ponto de percebermos que de fato, somos gente.
Gente que trabalha, que estuda e que congrega,
Mas em meio a multidão logo esquece e se altera. 

O dia-a-dia encobre coisas, lindas e indispensáveis.
Que a pressa e a indiferença, nos tornam insuportáveis.
Quantos nesta hora, ao pôr do sol, sairiam?
Pra's noitadas prazeirosas que talvez nem voltariam. 

Tanto crentes como incrédulos estão todos hibernados. 
Algo nunca em comum, ambos bem atediados. 
A pandemia é muito séria, voraz e faz chorar.
De um extremo até o outro, é muito rápida no infectar. 

Quem não tem bom senso, brinca até zombar.
De uma praga muita séria que é capaz de até matar 
Da China à Europa, o Corona causa danos,
Que ameaça o Brasil, País de rios e oceanos.  

Neste momento nada importa! Nem mesmo grana e o trabalho.
Só o fugir de um respirar, de alguém próximo até do orvalho. 
Pra que serve o poderio, injustiça e o roubar?
Se fugimos das pessoas e de um simples espirrar? 

Até ateus estão orando, para a praga já passar, 
E que o socorro venha logo para em Deus acreditar.
Fica esperto minha gente, que gente somos todos.
Trancafiados, porém livres,  precisando um do outro.

quinta-feira, março 19, 2020

O garimpeiro fiel

Ilustração: Kairos Álef
Por Célio Barcellos
Quando eu era aluno de teologia no Seminário Adventista da Bahia, em uma das aulas o Professor Demóstenes Neves, relatou uma linda história de fidelidade do irmão Joaquim Jeremias (nome fictício). O irmão Joaquim ao tomar conhecimento da chegada do novo pastor do Distrito foi até a sua residência, na cidade de Teixeira de Freitas/BA. À época, o território era imenso e o professor Demóstenes um jovem pastor iniciando o ministério.  
Pois bem, quando o irmão Joaquim Jeremias bateu à porta, eis que a Marluce, esposa do Demóstenes, veio atendê-lo. Ao observar, notou que a pessoa que chamava o seu esposo, era estrábica. Um tanto receosa por nunca ter visto aquele homem antes, correu em desespero a chamar o marido. O jovem pastor Demóstenes, vai ao encontro daquele homem e pergunta o que o ele deseja. 
Eis que o Joaquim Jeremias responde com uma pergunta:
- Aqui mora o pastor adventista?
- Demóstenes responde: sim 
- Então, o irmão Joaquim, pega um embrulho amarrado ao barbante e diz o seguinte:
- Aqui estão os dízimos e ofertas para levar para a Associação.
- E em seguida foi enfático!
- É para entregar na Associação, viu pastor!
O pastor Demóstenes entendeu o que aquele irmão estava dizendo. Até porque, na mente daquele simples garimpeiro, havia a compreensão da mordomia cristã. Ele entendeu que existia na igreja uma unidade teológica e administrativa e por isso, guardou os dízimos e as ofertas de longa data para entregar na Casa do Tesouro em momento oportuno. 
Daquela visita, ficou agendada a ida do pastor à localidade Quarto Centenário, onde o irmão Joaquim residia como único adventista entre um punhado de garimpeiros. Aquele simples irmão, era o remanescente de uma quantidade de adventistas que foi tentar a vida no garimpo. Ele era um homem simples, que cuidava com total dedicação da igreja construída no auge do garimpo naquela localidade.
Ele mantinha a igreja sempre limpa. Quando o pastor Demóstenes chegou àquela localidade de difícil acesso, ficou muito impressionado com o zelo daquele irmão. Além de deixar a igreja um espetáculo de limpa, também se encarregou de convidar todos os garimpeiros que ainda residiam por ali. No relato do pastor Demóstenes, deu para perceber a vibração e entusiasmo com que aquelas pessoas o receberam.
Fico a imaginar quantos Joaquins espalhados pelo mundo! Homens fieis que compreenderam a essência da mordomia cristã e que não perdem tempo em problemas, mas estão interessados no avanço do evangelho e na fidelidade a Deus. Para esses, não importa se tem pastor, ancião, diáconos, diaconisas e etc… Eles não dependem disso para a fidelidade e motivação. Não importa o que aconteça, serão sempre fieis. 
Mesmo que surja uma pandemia e as igrejas sejam obrigadas a fechar as portas em quarentena, ainda assim, permanecerão fieis. Pessoas como o Joaquim não veem dificuldades em fazer do seu lar uma igreja; em estudar a Bíblia e a Lição, e também em separar o que pertence ao Senhor. E o mais interessante: Homens e mulheres fieis à semelhança do Joaquim, procuram auxiliar os desfavorecidos da Comunidade. Eles não são egoístas, mas altruístas e solidários. 
Sabe prezado irmão e distinta irmã, aquele garimpeiro, pôde até ter parecido estranho para a Marluce ou para qualquer um de nós que o encontrássemos pela primeira vez. Mas para Deus, aquele homem era um servo fiel. Ele levou tão a sério o evangelho que foi capaz de separar as ofertas e dízimos de longos meses, sem jamais mexer em qualquer valor, pois compreendeu que aquele recurso já não o pertencia mais, pois era propriedade exclusiva do Senhor.  

Se Eu não for, Ele não virá

Por Célio Barcellos

Por favor, compreendam! Não chorem! Não desanimem!
Vocês nunca estarão sozinhos! Através dEle, Eu estarei sempre com vocês.
Aguardem com paciência, fé e oração. Quando Ele vier, fará algo extraordinário:
"Convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo”. Permita-O entrar na sua vida!
Haverá muita controvérsia acerca de Sua Pessoa. Mas não o rejeitem! Não O excluam!
Vocês acharão estranho por Ele agir de forma impessoal. Ele é assim mesmo.
Enquanto Me tornei um semelhante a vocês e revelei o Pai,
O Consolador, O Espírito Santo, opera de forma imperceptível, sem autoprojeção. 
Ele é despretensioso. Não fala de Si mesmo. Apenas ouve e transmite a vocês (Jo16:13).
A Sua função é exaltar e glorificar o Filho que é o revelador do Pai. Somos inseparáveis!
Trabalhamos com um altruísmo incompreendido pela mente humana.
Em tempos de apostasias, dúvidas, pandemias e tudo de ruim que possa acontecer,
Vocês precisam mais do que nunca, dEle - O Consolador, O Espírito Santo. 
Só reflitam comigo o seguinte:
Se em tempos de crises e de doenças contagiosas, o mundo entra em quarentena, 
Não seria prudente aos que creem em Mim entrar em oração clamando ao Espírito?
Definitivamente Ele não Sou Eu e nem a força ativa do Pai. Somos um em propósitos. 
Cada um de Nós é diferente, porém, possuidores da mesma natureza divina.
Por isso somos iguais! 
Quando Eu falei que estaria à direita do Pai, alguns questionam a falta do outro trono.
Por que insistir com perguntas desse tipo? Estudem expressões idiomáticas e compreenderão.
Eu também disse que "ao vencedor se assentará comigo no meu trono". Por um acaso vocês são divinos para sentarem no trono? Entenderam…?
Aceitem o Espírito como Deus e tenham vida plena. 
O Espírito Santo não é uma força do íntimo do Pai.
Ele é um Ser poderoso que procede de onde o Pai está. 
Quando Eu vos disse que vos enviaria outro Consolador, não era uma força,
Mas o Paracleto, "Outro" Ser igual a mim. 
Lembre-se: Ele é Deus. 
Ai da igreja se não fosse a Sua presença e intercessão!
Estou prestes a voltar! 
Ainda que vocês sejam esparramados pela terra ou enclausurados em suas casas,
Clamem diariamente pelo Espírito. Ele é o Meu representante.
Quem O negar, nega também a Mim e por conseguinte o Pai.
Lembrem-se: o Espírito Santo não é uma mera força ativa, mas um Ser Pessoal,
Que age de forma discreta e humilde. 
Rejeitá-Lo é rejeitar o Pai e a Mim, pois possuímos a mesma natureza. 
Portanto, reúnam-se em suas casas e clamem pelo batismo do Espírito. 
À semelhança dEle, sejam humildes! 
Pois os humildes aprenderão com Ele e compartilharão a Sua Palavra. 



ARTIGOS ESPECIAIS -:)