tempo de oportunidades

tempo de oportunidades

sábado, setembro 19, 2020

Decreto dominical - uma reflexão pastoral

 


Por Célio Barcellos

        Após grandes manifestações violentas e diversos ataques às suas instituições, os Estados Unidos da América (EUA) decidem romper com os dois pilares que sustentavam a Nação como um lugar livre e para todos. O republicanismo e a liberdade religiosa são revogados e em seus lugares surge um decreto monocrático e de ordem global para tentar acalmar os ânimos das pessoas. 

Com a constante ameaça de perder a hegemonia de nação mais poderosa do mundo, eis que os EUA decidem mostrar as suas “garras" e de forma assustadora se revela como poder mundial. Desde a pandemia por ocasião da covid-19 em que o mundo praticamente parou, os EUA utilizando o argumento do "bem comum” para todos, passam a controlar as pessoas por imposição. 

Homens e mulheres que denunciavam os desmandos que colocavam a América e o mundo em perigos ficam assombrados com tamanho ato inimaginável. Na mente dessas pessoas e de tantas outras espalhadas pelo planeta, ocorre um conflito enorme que somente é acalmado quando a Terra recebe a iluminação vinda do Céu acerca dos acontecimentos. Todos precisarão decidir entre o bem e mal e entre o certo e errado. Não há escapatória! 

O governo americano decide agir rápido colocando imediatamente em vigor a lei dominical. É uma lei de ordem global em que todos devem obedecer. Quem diria que a maior democracia do Ocidente seria capaz de tamanha ousadia! Neste momento, os países capitalistas se juntam aos EUA e os países governados por monarquias, teocracias e também os de viés socialistas e comunistas, percebem que ou se unem neste objetivo, ou os prejuízos serão enormes. Governos que não respeitavam os direitos humanos e forçavam os seus cidadãos a horas de trabalho sem um repouso semanal, serão obrigados a aderir ao decreto. 

Não tem escapatória! Todos estão sendo observados. Os próprios equipamentos tecnológicos e de vigilâncias se voltam contra eles mesmos. Transgredir o domingo passa a ser uma falta grave e mortal. Desrespeitar o decreto será visto como falta de comprometimento com o próximo, com o meio ambiente e com o bem-estar do mundo. É preciso a colaboração de todos para um mundo de paz e prosperidade. 

No contexto do decreto, os radares via satélite detectam um enorme êxodo urbano em direção às pequenas cidades. Havia também muita gente seguindo em direção aos campos e colinas. Aquilo chamou a atenção da vigilância internacional e imediatamente as autoridades iniciaram busca por informações para saber do que se tratava. Descobriram que eram os guardadores do sábado fugindo para não obedecerem ao decreto dominical. 

Neste momento, o que mais preocupava as autoridades é que muita gente cristã de diferentes ramificações; pessoas ateias e de grande influência na mídia e nos negócios; bem como judeus e tantos outras religiões segmentadas ou não, haviam se rendido à mensagem de Jesus Cristo como um todo e aderiram ao êxodo, quando perceberam que tanto na Bíblia quanto nos livros que há muito tempo estavam nas estantes, constavam sobre o mesmo. Os livros nas casas das pessoas são frutos do trabalho dos chamados colportores, espécie de Valdenses contemporâneos. 

Ao se espalhar as noticias de que havia esse enorme grupo de pessoas fugindo, os moradores das cidades ficaram possessos. Nesta hora, não se pensava mais em parentescos ou até mesmo em amizades. Eles estavam furiosos para denunciar os fugitivos às autoridades. Eles o faziam com os que ainda ficaram nas cidades, mas que se recusavam a observar o domingo. Muitos abandonaram a fé por tamanho infortúnio. Somente os que depositaram as suas vidas no sangue do Cordeiro é que prosseguiram a enfrentar todas as adversidades que sobrevieram a eles. 

Com medo de perder o controle, o poder mundial decide inserir um decreto de morte. Muitos dos que fugiam foram presos e mortos. No entanto, o Espírito Santo intensifica a obra da conversão e em determinado momento Ele Se retira do mundo. Porém, antes de cessar a Sua obra de convencer o mundo do pecado, Ele efetua o selamento em todo servo fiel.  Neste momento, nenhum servo do Senhor morre mais. Eles são selados pelo Espírito Santo e possuem a imagem de Cristo. 

Como guardadores do sábado compreendem que somente pela graça de Deus é que puderam suportar tamanha aflição. Apesar da forte angústia vivida, os verdadeiros adoradores não ousam dizer que venceram por eles mesmos, mas reconhecem os méritos de Cristo como sendo a fonte de toda vitória. Por um instante, eles ouvem uma voz do Céu anunciando o momento exato da Volta do Senhor. 

Em todos os cantos da Terra, desde o Oriente até o Ocidente, há um momento de choro e de alegria entre o povo de Deus ao compreender que a Salvação em Pessoa está retornando. Muitos fieis que estavam no pó ressuscitam um pouco antes da Volta de Jesus para fortalecer esses homens e mulheres angustiados. À semelhança do que aconteceu por ocasião da ressurreição de Jesus em que os sepulcros se abriram e os santos testemunharam pelas ruas de Jerusalém (Mt 27:52-54). 

O mundo está assustado e em fúria sofrendo os efeitos das sete últimas pragas. Além desses terríveis flagelos mandados pelo Céu, as pessoas que rejeitaram a Cristo e à Sua Lei, estão sob o dominado do diabo e tentam a qualquer custo destruir o povo de Deus. No entanto, os ímpios com toda a sua maldade tentam avançar contra os servos do Senhor e eis que um estrondo como nunca antes é ouvido de um canto a outro do Planeta e vozes angelicais ecoam uma linda melodia. Enquanto o Senhor está nas nuvens, os anjos descem numa velocidade a chamar da sepultura cada servo de Deus desde Adão. Eles saem do sepulcro e com os justos vivos são transformados e vão até o encontro do Senhor Jesus, o qual viajarão sem pressa para a eternidade (1Tessalonicenses 4:13-18 e 1 Coríntios 15:51-54). 

Enquanto isso, os ímpios desmaiarão de terror e morrerão todos com a glória de Deus. O diabo, o causador do mal, juntamente com os seus anjos, ficarão desolados em um mundo totalmente destruído. A sua maior angústia será o castigo em não ter ninguém para tentar. Ficará mil anos em uma terra desolada. Imagino que passará um filme na mente deste ser desde a sua existência no Céu como parte do exército de Deus. Ele verá como tudo era antes e como ficou por sua causa (Apocalipse 20:1-3). 

Findados os mil anos, o diabo, juntamente com os seus anjos serão libertos para verem a luz pela última vez. A luz vinda do Céu é a Nova Jerusalém, cidade do Deus eterno. Ela será estabelecida na terra. Mesmo após os mil anos desolado na terra, o diabo não mudou e sairá a enganar os que ressuscitaram para a segunda morte. Louvado seja o Senhor que todos eles serão destruídos! Nunca mais haverá maldade! A vida será para sempre e uma nova dimensão de mundo será criada (Apocalipse 20:7-10; 21:1-4).

Creia, Jesus virá em breve! Maranatha! 


Ob.: Esse texto é uma reflexão bíblica e dos escritos de Ellen White numa leitura contemporânea do autor. 

 


sexta-feira, setembro 11, 2020

11 de setembro de 2001, um dia de terror


  Por Célio Barcellos

Numa manhã de setembro de 2001, por volta das 10:00 nas ruas do bairro Kobrasol em São José na Grande Florianópolis eu caminhava em meio aos transeuntes  munido de um “prospecto” vendendo livros para arcar com as despesas da Faculdade. A minha  abordagem era entre o comércio de rua e os centros empresariais com o intuito de cumprir os meus objetivos. A literatura era recheada de esperança para a saúde e bem-estar das pessoas.

Tudo estava tranquilo quando em um momento observei as pessoas se aglomerarem em direção aos televisores ligados. Eu até pensei que se tratava de um filme. Porém, um filme naquele momento era um tanto improvável e com uma certa curiosidade, fui ver o que era. Ao me aproximar de um bar, vi aquelas terríveis cenas de aviões se chocando às "Torres Gêmeas" do World Trade Center. De fato era um filme de terror que abalou Nova Iorque e deixou o mundo em alerta. 

Ainda tentei continuar o meu trabalho, mas não havia mais clima, pois as pessoas estavam em polvorosa atenção ao ocorrido. Retornei para casa um tanto perplexo e pensativo em como o mundo é inseguro. Aquela cena era algo impensável, pois os terroristas atingiram o coração financeiro do mundo, o Pentágono e quase que deu certo o ataque à Casa Branca, sede do governo americano. A ação foi planejada por Osama Bin Laden, líder da Al-Qaeda. 

Neste 11 de setembro de 2020, após 19 anos do ocorrido certamente os americanos e  o mundo ficaram mais em alerta. Apesar da Al-Qaeda ter sido um tanto enfraquecida após a morte de Bin Laden, muitas outras células terroristas continuam a gerar conflitos no Ocidente como os ataques em anos recentes a locais isolados da França, Alemanha e Espanha. Sem contar no grupo Estado Islâmico que aterrorizou o Oriente ao tentar implantar um califado sem dó e piedade. 


Neste momento de reflexão, convido você a pensar um pouco em como o mundo se parece com uma bomba relógio que a qualquer momento pode explodir. Apesar do risco, precisamos continuar nossas vidas. No que se refere a solução, a Bíblia oferece a certeza de que todos os reinos do mundo com os seus problemas passarão por ocasião do estabelecimento do reino de Deus (Dn 2:44-45). Esse texto de Daniel é a representação da Vinda de Jesus à Terra para dar um basta nisso tudo. 

Que bom que temos essa esperança. Vale lembrar que Deus nos oferece a oportunidade de vivermos para sempre. Os terrorista tinham uma crença no paraíso um tanto equivocada. Infelizmente, eles foram egoístas ao acharem que Deus estava satisfeito com aquela barbárie. Deus não só ficou muito desapontado, como ainda continua a se desapontar com muita coisa ruim que praticamos. 

Lembre-se que as milhares de pessoas no 11 de setembro de 2001 viviam normalmente e por um instante se foram. Aproveitemos a cada momento que Deus nos dá para vivermos para Ele, para a nossa família e para o bem de todos. Fique tranquilo que Deus não permitirá que o próprio homem destrua o mundo. Porém, Ele virá pessoalmente acertar as contas conosco. Aproveite o tempo de graça, pois muito em breve, uma nova dimensão de mundo terá início e esse no qual vivemos, se desfará para sempre…

sexta-feira, agosto 21, 2020

Liberdade de crença, vale também para o outro

 

Por Célio Barcellos

Ontem (20), ao participar de uma Live da Frente Parlamentar em defesa da Liberdade Religiosa tomei conhecimento de uma ação clara de desrespeito à liberdade religiosa na cidade de Araçatuba/SP, quando um “terreiro de candomblé” foi denunciado de forma injusta. Na verdade, a palestra proferida por Dra Maria Cláudia de Brasilia, tratava de Abuso de Poder Religioso nas Eleições. Após a sua brilhante explanação, o Comitê Central, liderado pela Dra. Damares Moura, separou um tempo para votar uma nota em repúdio a tal afronta à liberdade de uma adolescente em seguir os ritos que acredita. 

Em meio ao turbilhão de notícias diárias, confesso que não fiquei sabendo desse ocorrido do início de agosto. Então, decidi dar uma pesquisada na internet e notei que a situação foi um tanto grave, levando em consideração o Art. 5 da Constituição que garante a liberdade do indivíduo em exercer a sua religião. Sem contar, na garantia que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) dá aos pais ou responsáveis em transmitir suas crenças aos seus dependentes.

De acordo com o portal UOL, familiares da menina denunciaram a mãe ao Conselho Tutelar, alegando “maus-tratos e abuso sexual”. Após insistência na denúncia, a polícia foi até o local e por ordem judicial tirou a criança do convívio de seus pais. Depois dos exames de "corpo de delito” foi constato que a denúncia era inverídica, porém, os danos à criança e à família já tinham acontecido. 

De acordo com o portal de notícias UOL, a mãe relata que o ato de raspar a cabeça da adolescente faz parte de um ritual em que o “novo adepto fica 21 dias recluso no terreiro. Durante o retiro espiritual, recebe banhos de ervas e é exposto a fundamentos da religião”. A situação gerou revolta, pois a justiça deu a guarda para a vó (de acordo com o UOL, ela não concorda com a religião ensinada para a neta) da menina.  

Foto: Carlos Magalhães/Agência O Dia


Pois bem, em um mundo religiosamente multifacetado e de diferentes sistemas de governos é até desonesto querer impor uma religião sobre outra pessoa. No contexto da liberdade religiosa de um estado laico como o brasileiro, todo cidadão tem o direito do proselitismo, mas com a obrigação do respeito. Um religioso é livre para não concordar com a religião do outro, mas ele precisa compreender que essa deva ser uma atitude recíproca,  para que não fira o direito inalienável da fé. 

Infelizmente, durante a pandemia, vimos verdadeiras afrontas à liberdade religiosa como por exemplo a invasão a um recinto católico em que o sacerdote ministrava com o templo vazio, em uma transmissão via internet para a sua comunidade. Também, uma família foi impedida de realizar o culto em seu próprio lar. Uma verdadeira afronta à liberdade!

Concluo esse texto dizendo que o brasileiro possui o direito de adorar a Deus ou não; de ser religioso ou não; de crer e o de não crer. Essa liberdade teve um alto preço e não deve ser jogada fora. Ninguém é obrigado a ir a recinto religioso diferente do que acredita. No entanto, é obrigado a respeitar. Até porque, a mesma pessoa que você está rejeitando pela religião, pode ser alguém que você convive diariamente no trabalho, na escola, no parque ou na própria casa. 

Se ligue! Ao defender o direito do outro exercer a sua crença, você, automaticamente está defendendo o seu direito de crer e de praticar a sua fé. Eu, particularmente, acabo de realizar juntamente com a minha família, o culto de pôr do sol, como observador do sábado. Viva a liberdade religiosa! 

segunda-feira, agosto 17, 2020

Não zombe de uma criança por ver Jesus da goiabeira

Por Célio Barcellos

Ela é só uma menina de apenas 10 aninhos e já aguarda um bebê. A coitadinha no trajeto de ser filha, é confrontada com os dilemas do “ser mãe”. Tão infanta e num embrólio ético que envolve o filho em seu ventre. A entropia de um mundo “patropi” exige o aborto, defende a vida, porém, assassina a vítima. No entanto, esquece o monstro.  Isso mesmo. O marginal! O "lobo mau" que ataca a "Chapeuzinho"! O pedófilo tolerado e vitimado por infames.

Enquanto o mundo gira, a sua barriguinha cresce. Das imaginações e fantasias é perturbada pela crueldade de um insano criminoso. Ao invés de Barbie, Lol e Polly, ela vive um pesadelo incapaz de controlar. Percebe desde os 6, a realidade do abuso, mas não consegue nem gritar, pois é frágil e indefesa. 

Será que ao menos ela viu Jesus do "pé da goiabeira"? Se ela viu, pode ter medo de falar, pois os infames escarnecem. A patrulha é tão medonha que se assemelha ao abusador. Correm atrás do monstro num jogo de "faz de contas" e o prendem de forma espetacular, mas logo o libertam, pois o tratam como um doente e não a um culpado. 

O monstro livre e solto, com o “falo" empinado e sob proteção da lei, sai em busca de mais vítimas. Ele não está sozinho e nem age em um lugar somente. Conta com comparsas espalhados pelas ruas; pelas casas; pelos antros do poder ou no submundo da WEB. Somam legiões e deixam rastros de maldade! A menina, que já não dorme por seus traumas, entra em desespero ao saber que não é só o tio, mas tem outros tantos por ai. Eles são muitos! São como demônios personificados em homens maus. 

Há quase cinco décadas também era só uma menininha, de apenas 8 anos, por nome Araceli. Foi "raptada", brutalmente "estuprada", "drogada" e teve o seu corpinho "carbonizado". Na ocasião, não foi somente um monstro, mas vários… Detalhe! Os assassinos nunca pagaram por seus atos. Eram monstros graúdos da sociedade capixaba (Ouça áudio emocionante do irmão!)!

Quantas mais? Oh, Senhor Deus tenha piedade das crianças! Mande o Seu anjo poderoso com a espada afiada a castrar esses infames. 

Deus! Sei que Tu existes e estás vendo tudo. Acabe logo com o mundo! Ele não presta! Literalmente não presta! O homem é mau! É um bicho! Sem Ti, ele é um monstro perigoso! Venha logo Senhor! Implante o novo mundo e encha-o de crianças. E se um adulto deseja entrar, precisará nascer de novo, porque dos "pequeninos é reino do Senhor" (Mt 19:14). 

        #QuebrandooSilêncio 

ARTIGOS ESPECIAIS -:)