tempo de oportunidades

tempo de oportunidades

domingo, maio 19, 2019

Liberdade religiosa - um direito inalienável



Por Célio Barcellos

Na manhã deste domingo (19), o hall central da igreja do Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP-EC), recebeu o Encontro de Advogados e Líderes de Liberdade Religiosa da Associação Paulista Centra (APaC). A abertura do evento, contou com a participação de um concerto erudito proporcionado pela Camerata UNASP, sob a regência do maestro Samuel Krähenühl.
Esse encontro de louvor a Deus, estudo e oração pela Liberdade Religiosa, foi promovido pelo Pr. Jimmy Cardoso, departamental de Liberdade Religiosa da (APaC). O objetivo foi clarificar e despertar a consciência para a importância de um tema tão importante, ou melhor: indispensável para a igreja. 


O evento teve como participantes, alunos do curso de direito do UNASP; advogados da região central do Estado de São Paulo e líderes de liberdade religiosa da APaC. Os palestrantes foram: Dr. Dilson Cavalcanti (Professor de Direito no UNASP); Dr. Alcides Coimbra advogado da União Central Brasileira (UCB); Dr. Samuel Luz presidente da Associação Brasileira de Liberdade Religiosa e Crenças (ABLIRC) e Dr. Markus Henrique, assessor da Dep. Damaris Moura.
O que ficou bem destacado entre os palestrantes, foi o “conceito de direito e não o de religiosidade”. Ou seja: O fato de representantes da igreja estarem num evento em que demais representantes de várias religiões, inclusive os de matriz africana, também estejam, os membros da igreja precisam compreender que para a igreja, o encontro não se trata de religiosidade, mas do direito do individuo praticar a sua religião.


Por isso, ao defender o direito do outro exercer a sua crença, a igreja está defendendo o seu próprio direito à liberdade religiosa. De acordo com o Dr. Markus Henrique, no que se refere a crença e fé, o “direito do ser humano está acima do positivado”. E ele ainda disse mais: “Se a lei do Estado for contrária à liberdade de consciência do individuo, o mesmo tem o direito de não obedecer”. 
Como Adventistas do Sétimo Dia, temos o dever de exercer a liberdade religiosa como uma “via de mão dupla”. As sagradas Escrituras, base das crenças adventistas mostram que é preciso agir com sabedoria, aproveitar as oportunidades e temperar bem as palavras ao se dirigir a quem pensa diferente de nós (Colossenses 4:5,6).
Eis a grande responsabilidade nas mãos dos adventistas! Como propagadores da Esperança em um mundo carente da mesma, torna-se necessário a real compreensão desse assunto tão importante. No bojo das mensagens distintivas que possuem, os adventistas precisam compreender que não precisam ser exclusivistas, mas um povo que respeita as pessoas e que sabe aproveitar bem a liberdade para pregar. 

sexta-feira, maio 17, 2019

Sebastião Marques - colportor especializado


Por Célio Barcellos

Nas horas matinais desta sexta feira (17), recebi a triste notícia do falecimento do excepcional Colportor Sebastião Marques. A informação dada pelo Pr. Edson Loura no grupo do Mestrado em Teologia, realmente nos pegou de surpresa, uma vez que o valente Sebastião era conhecido nacionalmente. Na realidade, ele estudou para colportar! Chegou a dar cursos contra o tabagismo no exterior.
Pelo que tenho conhecimento, o Sebastião Marques foi o pioneiro a abrir empresas para colportar. Ainda me lembro da primeira vez em que participei de um treinamento para colportores no Centro de Treinamento Adventista (CATRES/Guarapari-ES) e lá estava o Sebastião Marques a convite da então União Este Brasileira (UEB), atualmente USeB, falando para colportores que desejassem trabalhar com empresas.
Me lembro de alguns detalhes daquela aula. Ele iniciou a sua fala com um limão na mão e disse que com aquele fruto, ganhava o auditório. O Sebastião Marques se preparou para a colportagem! Alguém certa feita chegou para ele e disse: “Você é enfermeiro e fracassou. Fez direito e fracassou. Você é um simples colportor". Ele simplesmente respondeu: “Antes de tudo isso que você falou, eu ja era Colportor”. 
O Sebastião Marques se preparou para a colportagem! Ele era técnico em enfermagem e com os conhecimentos técnicos e habilidades adquiridas, iniciou abrindo pequenas empresas e bancos. Decidiu cursar duas faculdades simultaneamente. Direito à noite e a outra que não me recordo, pela manhã. No período da tarde, colportava para custear os estudos.
Ou seja: Sebastião Marques era um colportor especializado. A quantidade de livros que vendia, era preciso um transporte especial para a entrega. À época da sua fala em Guarapari, nos idos dos anos 90, ele mencionou duas grandes empresas que teve acesso e grande êxito. O grupo Randon, ligado a transportes rodoviário por todo o País e o grupo Votorantin, ligado a celulose e papel. Na ocasião tratou diretamente com Antônio Ermírio de Moraes, então presidente da Votorantin.
Para aqueles que olham a colportagem como algo extremamente negativo, eis o exemplo de um homem que venceu todos os obstáculos e se tornou um bem sucedido colportor. Não vou nem descrever a riqueza material adquirida por esse homem, pois como colportor ele foi muito bem sucedido financeiramente. 
No entanto, quero destacar a riqueza espiritual e familiar desse gigante da colportagem. Natural do Rio de Janeiro e casado com Terezinha Marques, eles tiveram três filhos e ambos estão na igreja. Adriene Köhler, é casada com o Pr. Erton Köhler, atual presidente da Divisão Sul Americana (DSA); Daiene Marques, esposa de médico obreiro e Harrison Marques, membro ativo na igreja Central do Rio de Janeiro.
Pois é… findou-se a carreira do “bravo colportor” Sebastião Marques. Porém, a ESPERANÇA maior está no porvir, quando o Senhor Jesus Cristo apontar nas nuvens dos Céu e chamar todos os redimidos pelo nome (ITs 4:13-18). Sem contar a quantidade de pessoas alcançadas pelas literaturas espalhadas por esse gigante da colportagem.
Que Deus conforte a todos da família do Sebastião Marques! Que mais jovens se espelhem na vida desse homem e acreditem no Ministério da Página Impressa. Afinal, esse ministério é de Deus e não de homens. Atenção colportores! Sejam valentes como o Sebastião Marques.
Maranatha! 

quinta-feira, maio 16, 2019

Um tio que se foi


Por Célio Barcellos

Na manhã de ontem, quinta-feira (15), recebi a triste notícia do falecimento do tio Valdemar Ortiz Barcellos. Dos filhos de meus saudosos avós (João Pequeno e Valdimira), Valdemar era o que mais se parecia com o vovô. Na realidade, o nome João Barcellos Filho, atribuído ao tio Zé (vulgo Zé Barrela) poderia ser de Valdemar, uma vez ele que era  a cópia do vovô.
Assim como os demais filhos, Valdemar nasceu na localidade de Córrego Grande, conhecido como sertão de Itaúnas. Ele passou grande parte da sua vida nos Municípios de Linhares e Sooretama, ambos no Estado do Espírito Santo. Também me recordo de um período em que morou com a família em Pedro Canário. Era uma casa de madeira, com um quintal grande e cercado de ripas e um pé de abacate. 
     Ele foi casado com Delza Barcellos (In Memoriam). Juntos tiveram seis filhos: Zélia, Luiz, Val, Vailza, Sônia e Sandrinha. Após a morte da tia Delza, ele teve a Milena, fruto de um relacionamento. 
O tio Valdemar de vez em quando aparecia em nossa casa. Desde os meus tempos de garoto em Itaúnas e em seguida Conceição da Barra, ele sempre nos visitava. Era uma pessoa de poucas palavras, sistemático, mas sempre positivo. Às vezes tinha umas rusgas com a minha mãe, mas eram problemas de irmãos.


Pois é… a vida findou para o tio Valdemar. Porém, ela findará para cada ser humano do planeta. A morte é uma coisa horrível e infelizmente atinge a todos. Ela deixa saudades e comoção nas pessoas. No entanto, a Bíblia aponta uma esperança para a morte - Jesus Cristo. Ele diz: “Eu Sou a ressurreição e a vida. Quem crê em Mim, ainda que morra, viverá”.

Que Deus conforte o coração de todos os familiares do tio Valdemar e de toda a sua prole!

sexta-feira, abril 19, 2019

Artistas se entendem


Por Célio Barcellos

Em pleno feriado da Semana Santa, a artista plática Lairana Barreira  nos recebeu em sua residência de forma amistosa para uma ótima conversa sobre artes. Na realidade, o objetivo da visita foi a troca de experiência para o aprendizado do Kairos, artista em formação. De forma amabilíssima, Lairana contou a sua experiência e deixou o seu ateliê à disposição para que o Kairos desenvolva a sua arte.

Lairana recebendo Kairos em seu Ateliê
Lairana é natural de Bauru/SP e vive há 10 anos em Pirassununga/SP. De família simples, teve o seu talento descoberto por alguém da família que a incentivou e investiu em sua arte. Estudou Belas Artes, fez doutorado em artes pela Universidade de São Paulo (USP) e lecionou por 26 anos na Universidade Estadual de São Paulo (UNESP).
Durante a conversa e de forma bem descontraída, Lairana mencionou que desde os 20 anos tem a sua arte reconhecida. Ela possui mais de 5 mil obras. Em junho fará uma exposição individual na cidade de Taos, Novo México (EUA). E em agosto, a sua exposição estará em Bauru. Ela falou com bastante orgulho que “Bauru é uma cidade que aprendeu a valorizar o artista”. 
Imagem behance.net: Ilustração de Adelmo Barreira para a Bauducco
Que bom saber que cidades como Bauru, valoriza a arte. O interessante que na família Barreira não tem somente Lairana como artista. Ela é tia de Adelmo Barreira, considerado um dos 100 melhores ilustradores digitais. É um dos grandes nomes da ilustração publicitária no Brasil. É ganhador de vários prêmios. No currículo dele, passam marcas de peso como: Havaianas, Bauduco, Coca-Cola e tantas outras.
Pois é… espero que o Kairos saiba trilhar o seu caminho. Por onde passamos, Deus tem proporcionado para ele, encontro com pessoas extraordinárias. Somos gratos a Deus pelo dom maravilhoso desde pequeno para o desenho! Agradecemos imensamente ao Núcleo de Altas Habilidades de Vitória/ES que ajudou muito na percepção crítica. Destacando os professores Gustavo e Leonardo Freire. Esse último fez o Kairos enxergar mais longe. 
Deserto da Califórnia - pintura a óleo Kairos
Ele só tem 15 anos e tem muita estrada para percorrer. Agora, morando em Pirassununga/SP, Louvamos a Deus por encontrarmos pessoas que o tem apoiado. Wilson, seu professor de artes no Colégio Objetivo; Eduardo Serrador, Arquiteto e apaixonado por artes, a quem devemos o contato com a artista Lairana Barreira, a quem tivemos o privilégio de conhecermos pessoalmente hoje.

Kairos em desenho surrealista
Assim, fica o nosso abraço e carinho por essa artista tão simples e acolhedora. Que Deus continue dando muitos anos de vida para que a sua arte continue a alegrar a vida das pessoas, tanto no Brasil, quanto no exterior. 
Obrigado Lairana! Que Deus a abençoe sempre! 

ARTIGOS ESPECIAIS -:)