tempo de oportunidades

tempo de oportunidades

terça-feira, junho 02, 2020

Filled Under:

Benedito Leite, nativo que nos deixa

Benedito Leite com o sobrinho neto, Mário Júnior
Por Célio Barcellos
No momento em que me preparava para dormir, eu soube do falecimento de Benedito Leite. Particularmente, me emociono quando falo em Itaúnas e também fico muito triste quando nativos da minha terra partem. Em especial, os que conheço desde pequeno. Um desses era Benedito Leite! Um baixinho gente boa, e que por muitos anos, mantive a tradição de pedi-lhe a benção. 
O Sr. Benedito Leite, era um ser humano pacato, boa praça e sempre em seu cantinho na Vila. Ficou viúvo muito jovem. Se não me fale a memória, a dona Rosinha   tinha menos de 50 anos quando faleceu. Não é do meu conhecimento se Benedito Leite   tenha se casado novamente. Ainda criança, lembro-me muito bem daquela perda, principalmente do choro da Telinha, minha colega de classe na escola. 
À semelhança do ocorrido com a Dona Rosinha, imagino que neste momento, a família Leite da Silva está muito triste com a perda desse patriarca. Especialmente, os filhos: Dercília, Oraldo, Isabel, Margareth (Gareth), Ari, Marizete (Nega), Auristela (Telinha) e Leandro. Todos devem estar arrasados ao verem o seu papai inerte. Sem contar os seus muitos netos e talvez até mesmo bisnetos. 
Apesar da morte causar uma tristeza terrível, todos passaremos por ela em algum momento da história. A vida de quem passa por nós e deixa bons exemplos, deve ser celebrada. O choro que ocorre é uma reação natural e até mesmo uma defesa do organismo para liberar a explosão de algo negativo que corrói a alma como um ácido jogado numa superfície. 
Particularmente, quando eu retornar a Itaúnas (isso faço em todas as minhas férias), não mais encontrarei o Sr. Benedito Leite. Não o verei caminhando em algum momento nas ruas da Vila, nem próximo da árvore que sombreia a família por muitos anos e nem o verei com um rastelo nas mãos, providenciando a limpeza do quintal e da frente da sua casa. 
Dos irmãos de Benedito Leite, dois deles tenho conhecimento de que também partiram. Sr. Olinto Leite da Silva (fiscal na Vila por muitos anos) e o Sr. Pequeno (esse não sei o nome, pois desde guri, ouvi essa forma de tratamento). Acho que a Dona Angélica, esposa do falecido Noil  (Noir?) também era irmã. Não tenho mais notícias dessas pessoas, pois com o êxodo rural, muitas delas, possuidoras de propriedades no Sertão, perderam o vínculo com a Vila. 
Pois é, mais um nativo que se foi. Que Deus console os corações de todos neste momento de dor! Que os filhos e parentes mais próximos recebam do Céu, o alento para um momento tão triste. Porém, não se desesperem, pois feliz foi um homem como Benedito Leite, que deixou filhos e filhas para perpetuar em suas veias, o DNA da vida. 
Portanto, como bem disse Khalill Gibran: “Tristeza e alegria são inseparáveis: Enquanto uma está no travesseiro, a outra está sobre a mesa”. E desta forma, vamos seguindo com fé a vida que Deus nos deu. Fica os meus sentimentos para todos da família! E lembrem-se: "Eu Sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morto viverá" (João 11:25).
Saudações de um nativo ausente…

10 comentários:

  1. Conheço desde os meus 10 anos de idade hoje estou c 59anos
    Familia maravilhosa

    ResponderExcluir
  2. Belo registro afetivo, seu Benedito Leite e um patrimônio imaterial para Conceição da Barra.

    ResponderExcluir
  3. Célio, vc só esqueceu de outra filha Isabel... Tia Bel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade! Havia esquecido mesmo. Mas já está corrigido. Obrigado!

      Excluir
  4. Celinho, não poderia deixar de passar aqui para te agradecer imensamente por está linda homenagem prestada a meu pai através desta memória maravilhosa. Não consigo ler este texto sem derramar lágrimas de saudades, mas sei que nosso anjo intercede a Jesus por nós lá do céu. É muito difícil perder quem amamos e por 28 anos ele foi pai e mãe para nós. E você sabe do amor que une a nossa família. Gratidão, meu amigo. Que Deus te abençoe e conserve este dom de valorizar as suas raízes. Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amiga! É um prazer falar acerca da nossa terra e dos nosso conterrâneos.

      Excluir