A humanidade não deu certo?


Por Célio Barcellos
Na manhã de ontem (04/05), o Brasil foi surpreendido com a morte do ator Flávio Migliaccio. À medida em que as horas passavam e a imprensa tentava informar a causa da morte, eis que uma carta de despedida é encontrada com os seguinte dizeres: “Me desculpem, mas não deu mais. A velhice nesse país é o caos, como tudo aqui. A humanidade não deu certo. Eu tive a impressão que foram 85 anos jogados fora num país como este. Cuidem das crianças de hoje”. 
Talvez o que Migliaccio e tantos outros não compreenderam ou insistem em não reconhecer é o termo livre arbítrio no contexto de Deus para com o ser humano. Reconhecer a existência de Deus, facilitaria muito a compreensão das perguntas existenciais que muitas vezes confrontadas com a realidade da vida, acabam levando a decisões drásticas como a de Migliaccio. 
A bem da verdade é só perceber na vida de gênios como Nietzsche, Foucalt, Weber e tantos outros, que, os seus escritos são mais gritos de almas aflitas que não conseguiram administrar o paradoxo dos seus dilemas existenciais. Na verdade, esses idolatrados pensadores, nada mais são do que Adão e Eva frustados em seus delírios. No fundo, todos foram afetados e infectados pela maldade. 
Pois bem, de acordo com o relato bíblico Deus criou a humanidade para viver feliz e para sempre. No entanto, havia uma condicionalidade que era a de ser fiel. (Genesis 2:16,17). Porém, a humanidade representada por um casal, optou em escolher o que melhor lhe convinha. Assim, decidiu romper os laços de amizade com quem a criou. E essa escolha saiu muito cara, pois os seus efeitos atormentam até hoje, pessoas de todos as camadas sociais, inclusive artistas e grande pensadores.
Será que no cenário atual do mundo em que todos estamos reféns de um vírus, não seria a hora de quebrarmos o orgulho e reconhecermos de onde viemos? Essa questão resolvida, responderia o onde "estamos" e o para onde "iremos". Talvez o Migliaccio tenha passado 85 anos da sua vida, procurando no lugar errado. Depositou todas as fichas no humanismo e o mesmo o decepcionou. 
O que fica claro nesta carta e atitude do Migliaccio é que nem mesmo a arte, a cultura e tudo o que o ser humano produz, resolverão os dilemas da humanidade. Se o ser humano não se render e não reconhecer a sua origem, ele ficará vagueando em seus delírios e lutando contra os demônios internos de sua alma. É só olhar ao redor e perceber quão frágil e vulnerável é o ser humano! 
A história do pecado é algo terrível e só a compreende quem se rendeu à sua origem. Quando o ser humano entender a história do pecado ele terá a consciência de que é um pecador e de que ao ele querer externar ainda mais os desejos para a satisfação, isso nada mais é do que uma fuga. Fuga essa, dos próprios efeitos daninhos do pecado. Sejam eles praticados por terceiros ou por ele mesmo. E isso tem efeitos terríveis na mente. É uma fuga que o aprisiona! 
 Haja a vista as disparidades em um país provocadas por ambições e corrupções humanas. Quantos velhinhos estão abandonados e vitimados por agressões? Quantas crianças abusadas em nome dos desejos?  Quantas desgraças por causa de seres humanos mesquinhos e perversos no pecado? Todas essas perguntas possuem respostas que fazem sentido, se forem atreladas à origem do mal; do contrário, o existencialismo toma conta.
Portanto, mesmo que a humanidade tenha se desviado do propósito de quem a criou, o que se pode notar é que o seu criador está desde o início tentando salvá-la de todas as maneiras. Até mesmo ao utilizar-Se do extremo, quando enviou o Seu Filho para resgatá-la de volta à sua origem (João 3:16). Agora, se o ser humano quer continuar na fuga, infelizmente, ele chegará aos 85 anos tendo como único propósito a sepultura, pois parece que foi somente isso que ele enxergou durante toda a sua existência. 

Que Deus conforte a família do Migliaccio e de tantas outras que sofrem situação  semelhante. 
 

Comentários

  1. Parabéns meu primo. Você demonstra muita lucidez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado prima! Agradeço a sua apreciação de sempre.

      Excluir
  2. Pastor bom dia
    Sempre me surpreedendedo com escritos novos, atuais.como tem facilidade em expor uma matéria,sem mais palavras, perfeito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais Vistas