Os Chicos e Severinos estão clamando...

Por Célio Barcellos

Inquieto na cama e sem conseguir dormir, decidi levantar e escrever um pouco. Confesso que a falta de sono é em face ao sofrimento das pessoas nesse terrível contexto da pandemia. Fico a imaginar o desespero de uma mãe que perdera o seu filho; de um cônjuge que perdera a pessoa da sua vida e de tantas outras situações que tem tirado a paz e a tranquilidade da população. E ainda tem o desespero de um pai ou de uma mãe, ao ver os filhos com fome sem poder fazer muita coisa. 


Os meus pensamentos me conduziram a dois gigantes da literatura brasileira: Raquel de Queiroz e João Cabral de Melo Neto, que relataram a dura realidade do sertanejo. A primeira, em seu livro “O Quinze”, fala da escassez nas bandas de Quixadá no Ceará, devido a grande seca de 1915. O segundo, trata da história do retirante Severino que ao longo de sua viagem no sertão pernambucano, vê de perto a miséria, a fome e a morte. 


Realizar uma dieta ou até mesmo um jejum com propósitos religiosos, já mexe com todo o sistema humano. Agora, imagina ter de passar dias sem o que comer! É fato que precisamos cooperar para a contenção do vírus da Covid, mas me parece insano ter de ver pessoas desesperadas de fome e ainda observar o aumento da pobreza ao presenciar comerciantes e empresários geradores de empregos serem obrigados a fechar as portas. Qual é o prazo para isso? Essas ações eliminarão o vírus ou criarão ainda mais problemas? Eu não sei a resposta. E você? 

Ninguém está livre desse vírus diabólico que inferniza o nosso cotidiano e nos arranca a paz ao tirar de nós pessoas que amamos. Sim, ele é cruel e malvado. No entanto, não deixa de ser cruel ver pessoas desesperadas, até mesmo tomando decisões radicais contra si, devido ao infortúnio da fome e do desemprego. 

Em seu livro "Homo Deus: uma breve história do amanhã, (p.14)”, Yuval Noah Harari menciona que no último século com o aumento da tecnologia foi criada uma corrente segura que tem condições de eliminar a linha de pobreza da humanidade. Esse feito só não ocorre, não é devido a catástrofes, mas a políticos egoístas e gananciosos. Mandar pessoas ficarem em casa e obrigar o fechamento de comércios parece ser uma atitude fácil para quem tem o poder nas mãos e o seu ordenado no final do mês. 

Já estamos há mais de um ano lutando contra esse terrível mal e o que se vê são políticos e autoridades brigando por uma maior fatia do bolo na esfera chamada poder. Aos invés de priorizar as pessoas, o pensamento vem no individualismo e na ganância. Se a crise fugir do controle é ruim para todo mundo. Não tem "salvador da pátria”, capaz de capturar o bicho e devolver a paz para as pessoas. Acho que cada um deveria parar de culpar o outro e pensar pelo menos nas gerações dos filhos e netos que trilharão o futuro. 

Sabe! É quase meia noite e estou aqui em meu escritório sem sono e observando as luzes da cidade e o silêncio da mesma. O meu estômago está um pouco doendo, mas graças a Deus, assim que eu concluir o texto, irei até a cozinha comer alguma coisa. No entanto, sei que deve ter pessoas famintas em algum lugar por não terem nada para comer. Eu sei que tem pessoas próximas de mim, pois já recebi pedidos de socorro neste sentido. 

Também sei que neste momento há uma mãe e um pai em prantos pela morte de um filho. Pessoas que não conseguem dormir pela tristeza e a solidão. Tem pessoas desesperadas por notícias de uma parente na UTI. Sabe amigo! A doença e a morte são terríveis e nos causam dor. A Bíblia fala que a morte é o resultado direto do pecado (1Jo3:4). Ela existe devido a desobediência inicial da humanidade (Genesis 3). Infelizmente esse mal está em nosso DNA e temos de conviver com isso. No entanto, há uma esperança de vida ofertada por Jesus Cristo (João 11:25). É fácil para eu escrever essas palavras sendo que a dor é de outra pessoa. Porém, eu te convido a se agarrar nesta ESPERANÇA oferecida por Jesus. Afinal, somos todos frágeis. 

Prezado leitor! “O Quize” e “Morte e Vida Severina” foram escritos há décadas. Porém, a realidade de suas páginas não tem que ver somente com o sertão nordestino, mas com cada metro quadrado desse imenso Brasil pandêmico. Até porque, as “selvas de pedras” nos centros urbanos, formam as caatingas da indiferença em que os Chicos e os Severinos sobrevivem em meio à fome e à miséria provocados por insensíveis que deveriam cuidar deles. 

Só nos resta orar para que tenhamos força, saúde e recursos para cuidarmos dos nossos, sem contudo nos esquecermos dos pequeninos que padecem nos sertões e nas selvas do Brasil. 

Que Deus tenha misericórdia de todos nós! Que nos arrependamos de nossos pecados, pois como seres humanos, estamos distantes do ideal divino.

Pirassununga/SP - 00:20, 18/03/21

Comentários

  1. Quanta sensibilidade em suas palavras.
    Peço a nosso pai que olhe para nossos corações dilacerado

    ResponderExcluir
  2. ...é como se eu tivesse escrito...

    ResponderExcluir
  3. Realmente triste ver a situação lastimável no qual se encontro nosso país e planeta.
    Desde sempre a solução é: agarre nas mãos do Senhor Deus, e deixe-o guiar sua vida.
    Abraço Pastor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade! A situação não está nada fácil. Que Deus abençoe a todos nós.

      Excluir
  4. Orgulho do meu amigo. Muito bom o texto

    ResponderExcluir
  5. "Manifesto Comunista" tem a solução.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo, boa noite! Muito obrigado por sua apreciação. No entanto, nenhuma ideologia tem solução para esse mundo. As soluções humanas sempre machucarão pessoas, pois os pensamentos são contraditórios e isso vai sempre gerar conflitos e insatisfações. Um abraço e que Deus te abençoe!

      Excluir
  6. Muita realidade neste texto é triste ver a situação que estamos enfrentando mas que os cristãos não tome como pretexto para adiar a volta de Jesus deixando a Sua obra parar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A missão não pode parar! É preciso trabalhar firme para a realidade do novo mundo. Obrigado pela apreciação.

      Excluir

Postar um comentário

Mais Vistas