tempo de oportunidades

tempo de oportunidades

quarta-feira, julho 13, 2016

Filled Under:

A lição do futebol


Por Célio Barcellos


A data de 10 de julho de 2016 será inesquecível para a Seleção Portuguesa de Futebol. Quando num domingo, em plena París, conquistou pela primeira vez em sua história um título internacional - a Eurocopa.  Logo sobre a poderosa França, carrasca de longa data.

Mesmo sem o seu principal jogador em campo (o craque Cristiano Ronaldo), que precisou sair aos 16 minutos do primeiro tempo por motivos de contusão, a Seleção lusitana não se rendeu e conseguiu levar o jogo até a prorrogação, quando venceu por 1x0.

O que uma partida de futebol pode nos ensinar? 

Como o futebol é um esporte coletivo, a princípio já mostra que ninguém ganha sozinho. Todos os atletas precisam de uma sinergia que promova a superação e o alcance final, resumido em vitória.

Porém, mesmo sendo um esporte coletivo, "o craque" como é chamado o diferenciado do time, faz toda a diferença com a sua liderança. Ele dá vida a equipe e faz o adversário tremer. 

O Brasil já teve craques que levavam muito a sério o que faziam. Nomes como Pelé, Zico, Roberto Dinamite, Falcão e tantos outros, fizeram a diferença por onde passaram. Eram líderes comprometidos com as suas equipes. Atletas que se cuidavam e gostavam do que faziam. Arrastavam multidões aos estádios e eram adimirados por onde passavam. Muitos desses, nunca se sagraram campeões pela Seleção, mas possuem até hoje, o respeito de torcedores e adversários.

Talvez o maior problema do craque brasileiro, daquele que não deu uma sequência mais vitoriosa em sua carreira, apesar de ter tido todas as possibilidades de receber o dobro ou o triplo de titulos de melhor do mundo, talvez tenha sido o fato de  perder o foco no meio do caminho, perder de vista objetivos maiores em função de distrações extra campo.

O que não ocorre com um Cristiano Ronaldo ou um Messi, que lutam a cada dia para superarem os seus limites e manter a alta perfomance exigida por um atleta de alto nível. Ou seja: gostam do que faz.

Todos precisam gostar do que faz! Seja engenheiro, médico, pedreiro, advogado, pastor ou qualquer outra profissão, todos... todos, precisam se envolver em seu trabalho. Se cada um fizer a sua parte, a sinergia da equipe, será muito melhor.

Certamente, nessas categorias haverá sempre os "diferenciados" os "craques" do time. Mas que se souberem exercer a devida liderança, farão muito por todos ao redor. Ao invés de jogarem somente para si, com a "fominha" de um egoísta, que jogue junto com a equipe, pois no momento da sua ausência, o que deve ficar é a raça, o respeito e a motivação para a vitória. 

Portanto, todo ser humano, não importa a esfera da hierarquia em que se encontra, pode contribuir com todos. Se cada um levar a sério o que faz e cada um torcer pelo outro e sem trapaças, ao final, todos chegarão, mesmo contundidos ou inteiros, o importante é chegar.


0 comentários:

Postar um comentário