tempo de oportunidades

tempo de oportunidades

terça-feira, julho 29, 2014

Filled Under:

A revolução já veio!


Por Célio Barcellos

A classe governante do Brasil ficou estupefata, com tamanha reação das milhões de pessoas que saíram às ruas para protestarem contra os maus serviços prestados.O estopim de todo esse movimento foi o aumento da tarifa no transporte publico de São Paulo. O clamor das pessoas ganhou força nas ruas e também nas redes sociais. À semelhança de um “vírus” poderosíssimo infectou pessoas de todas as partes do Brasil e do mundo.

A reação tanto na rua quanto na internet foi diversa. As pessoas clamavam por melhor aplicação dos recursos, para que o Brasil de fato tenha saúde, educação e transporte de qualidades e se torne um País sem corrupção, que proporcione mais igualdade para o seu povo.

Nesse vai e vem de protestos nas ruas bem como nas redes sociais, uma frase me chamou atenção. Trata-se de um provérbio do rei Salomão que diz o seguinte: “O rei justo sustem a terra, mas o amigo de impostos a transtorna.” Pv. 29:4

O aforismo escrito por Salomão mostra um pouco do contexto atual do povo brasileiro que na maioria das vezes sofre calado e inocente nas mãos de seus representantes.

No original hebraico a palavra para impostos (terumoth) tem o sentido de “contribuições rituais ou ofertas”. Ao incluir na frase “amigos de impostos”, possivelmente, Salomão fala a dois grupos: o que dá e o que recebe recursos.

O que o sábio rei está querendo mostrar é que o primeiro grupo representado pelo doador (ou pagador de impostos) confia seus recursos na esperança de retorno em serviços essenciais. Já o segundo grupo, que detém esses recursos, prefere usufruir sozinho daquilo que não lhe pertence ao invés de compartilhar com todos.

A Bíblia está repleta de reis corruptos, que punham jugos no povo e usurpava dinheiro através de impostos. Tanto em Israel quanto em outras nações, havia essa conduta exploratória totalmente desaprovada por Deus.

Um problema ainda maior, é que muitos dos governantes além de receberem recursos, exigiam sacrifícios como se fossem deuses. Esse também parece ser um problema existente nos dias atuais, pois nações veneram a seus lideres como se fossem imortais.

E no aspecto religioso será que é diferente ou tem certa semelhança com os governos? O que se vê abertamente são lideres religiosos, famintos por recursos, criando uma carga tributaria cada vez mais pesada, cheia de sacrifícios e promessas mirabolantes para lhes assegurar um império mais poderoso e lucrativo

Assim sendo, a solução para tudo isso vem dAquele que é Rei, mas que se tornou servo, que é rico mas que se fez pobre. Um simples homem causador de uma revolução não reacionária e política, mas uma revolução que oferece paz, amor, honestidade, respeito e acima de tudo a promessa concreta de um País onde as pessoas que fazem parte de Seu reino terão acesso a todos os serviços essenciais para todo o sempre. Amem!!!
 

0 comentários:

Postar um comentário